E-mail: ascari@ascari.pt - Telefone: 225 025 520 - Telemóvel: 935 508 585 - PORTO
  • Citroen em Portugal De uma Guerra à outra 1919-1945

Citroen em Portugal De uma Guerra à outra 1919-1945

40,00 €   42,00 €

18 unidades em stock | SKU: 9789896586027

A Citroën é um fenómeno no contexto da indústria automóvel mundial. Ao contrário da generalidade dos construtores que foram criados em redor de um conceito mecânico ou estético, a grande marca francesa nasceria sob uma motivação industrial, ficando célebre a frase de André Citroën, dita ainda antes de começar a produzir os veículos que levariam o seu nome aos quatro cantos do mundo: eu vou fazer 100 automóveis por dia.

A inspiração era claramente proveniente de Henry Ford pois ambos procuravam o mesmo critério industrial através de uma única ferramenta: reduzir o preço dos automóveis graças ao incremento da eficiência na linha de montagem.

Este livro dedicado à presença da Citroën no nosso país pretende retractar a actividade da marca entre nós num período que se considera fulcral para a sua consolidação no mercado: entre o seu lançamento, em 1919 e o final da II Guerra Mundial, em 1945. Sendo certo que a Citroën é uma marca profusamente estudada, conhecendo-se uma variedade imensa de livros, artigos, ensaios e “papers” académicos, havia, no entanto, um interessante campo de pesquisa por explorar relacionado com a presença desta fantástica organização no nosso país e, por essa razão, a preocupação concentrou-se quase exclusivamente em recolher a iconografia da marca em Portugal: fotos da época, publicidade e cartazes, entre outros.

A selecção de alguns desses instantâneos permite traçar a trajectória desta fabulosa marca que se impôs como poucas no complexo contexto da indústria automóvel anterior à guerra. Tendo a Citroën a responsabilidade histórica de ter sido a primeira marca a abrir uma filial em Portugal, mostrando assim a confiança que tinha não só no mercado como também nos seus colaboradores, verifica-se que essa aposta acabou por merecer dos portugueses um julgamento positivo.

Só isso pode justificar que, tendo sido um dos construtores que mais tarde chegou ao mercado nacional, tenha conseguido alcançar a terceira posição nas vendas absolutas até 1940 com 4.932 unidades, atrás das americanas Ford e Chevrolet que atingiram, respectivamente, 11.502 e 6.879 veículos.

(PUB 10/2019, Autor: Eng. Barros Rodrigues, Idioma: Português , 136 págs, capa dura, 28X24 cms, 150 fotos )

×